Financiada pela Agência das Bacias PCJ, 1ª usina que transforma esgoto em adubo da RMC é entregue em Nova Odessa

Tamanho da letra:

Unidade foi inaugurada nesta quarta-feira, 7 de agosto, na área da ETE Quilombo; investimento foi de cerca de R$ 1,6 milhão da Cobrança PCJ Federal, deliberados pelos Comitês PCJ

A primeira usina de compostagem de lodo de esgoto da RMC (Região Metropolitana de Campinas) foi inaugurada nesta quarta-feira, dia 7 de agosto, pela Prefeitura de Nova Odessa e pela Coden (Companhia de Desenvolvimento de Nova Odessa). O projeto de construção da unidade foi deliberado pelos Comitês PCJ (Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí) e financiado pela Agência das Bacias PCJ, com R$ 1.652.744,55 arrecadados com a Cobrança PCJ Federal (cobrança pelo uso da água em rios de domínio da União). A usina opera em fase de testes desde 1º de julho e vai transformar os resíduos gerados durante o processo de tratamento de efluentes em fertilizante orgânico para uso em praças, parques, jardins e áreas de reflorestamento.

“Trata-se de um empreendimento inovador. O que era um custo muito alto para disposição em aterro, agora passa a gerar receita para o município. Parabéns à Coden e ao município de Nova Odessa”, comentou o diretor-presidente da Agência das Bacias PCJ, Sergio Razera.

O projeto foi contratado em junho de 2017, após processo seletivo realizado pela Agência das Bacias PCJ. Além do investimento de cerca de R$ 1,6 milhão da Cobrança PCJ Federal, houve ainda a contrapartida de R$ 234.165,54 da Coden. A usina de compostagem funciona num barracão de 1.250 metros quadrados, construído na área da ETE Quilombo, estação responsável pelo tratamento de todo esgoto coletado no município. Na ETE, são tratados, em média, 130 litros de efluentes por segundo e gerados aproximadamente nove toneladas de lodo por dia.

Na entrega da obra, os participantes puderam conhecer o sistema de processamento de lodo e tiveram contato com o primeiro lote de adubo orgânico produzido no município. “Sem vocês (Comitês e Agência das Bacias PCJ), nós não conseguiríamos estar entregando essa tão importante obra para nossa cidade. É um projeto arrojado e inovador na região, que vai tornar nossa Estação de Tratamento de Esgoto 100% sustentável”, declarou o prefeito Benjamim Bill Vieira de Souza. “Hoje, coletamos o esgoto da cidade, tratamos e o devolvemos para o Ribeirão Quilombo em forma de água limpa. Agora, com a usina, também vamos transformar o lodo em adubo e ainda deixar de gastar R$ 50 mil mensais com a destinação desse resíduo”, completou o prefeito.

A compostagem consiste na mistura do lodo de esgoto com restos de podas de árvores e substâncias químicas, como óxido de cálcio e calcário. A licença para operação da usina foi emitida no final de junho pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).

O diretor-presidente da Coden, Ricardo Ongaro, destacou que a usina aumenta a participação do município na preservação do meio ambiente e abre a possibilidade para a criação de um novo produto. “É uma atividade nova para a Coden. Atualmente, o lodo é disposto em aterro sanitário. Agora a gente vai começar a operar esta usina misturando um terço de lodo e dois terços de poda da cidade, que também é um insumo gerado que hoje não tem uma destinação apropriada. Vamos absorver e gerar um composto orgânico”, explicou.

Ricardo Ongaro também ressaltou a importância do financiamento obtido junto à Agência das Bacias PCJ e Comitês PCJ. “Isso que nos deu capacidade financeira para colocar esse projeto em pé. Mais uma vez a cobrança pelo uso da água nos ajudando e inovando em tudo”, declarou.

Segundo ele, após o término da fase experimental, a intenção é comercializar o adubo orgânico (fertilizante orgânico composto classe “D”) para o uso agrícola, criando uma nova fonte de receita para o município. Para isso, a companhia vai buscar a certificação orgânica no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

INVESTIMENTOS

Na cerimônia de inauguração da usina de compostagem de lodo orgânico, a Agência das Bacias PCJ foi representada pela coordenadora de Projetos, Elaine Franco de Campos, que destacou os investimentos feitos em Nova Odessa nos últimos 25 anos com os recursos das cobranças pelo uso da água em rios de domínio da União e do Estado (Cobranças PCJ Federal e Paulista) e da compensação/royalties do setor hidrelétrico. Os recursos são gerenciados pela Agência das Bacias PCJ (rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí) e a decisão de distribuição é feita pelos Comitês PCJ.

Desde 1994 até hoje, foram repassados para a Coden cerca de R$ 38,1 milhões, principalmente para a área de tratamento de esgoto e combate à perda de água. São 28 empreendimentos concluídos e outros dois em execução. Somadas as contrapartidas oferecidas pelo município, o valor total dos investimentos chega a quase R$ 47,5 milhões. “A Coden é parceira desde o início. Nova Odessa capta recursos dos Comitês PCJ desde 1994. É um município exemplo para as Bacias PCJ”, elogiou Elaine. “É possível, sim, melhorar as condições dos municípios, a qualidade da água, tratar seu esgoto... Há recurso financeiro, desde que os municípios corram atrás e tenham projetos bem elaborados, pessoas competentes à frente”, concluiu a coordenadora de Projetos da Agência das Bacias PCJ.